Um convite à espiritualidade

Photo credit: Rojs Rozentāls on VisualHunt / CC BY-SA

Uma batida forte, uma sonoridade caótica, acompanhada por um piano triste, era tudo que eu precisava pra concordar com a indagação que dá nome a música do artista Moby: – Por que meu coração se sente tão mal? Encontrei o ponto de identificação, tanto no clima, quanto na letra da canção: Por que minha alma se sente tão mal? Por que sempre estou cercado de atividades, compromissos e responsabilidades? Por que em muitas destas vezes um “EU” triste assopra em meu ouvido a dúvida: – Está valendo a pena? E por que está dúvida me leva a um vazio sentimento de desligamento? O paradoxo de estar ocupado mas desorientado, sobrecarregado mas vazio.

Então o verso me diz: Em primeiro lugar o Meu Reino…, e as demais coisas serão acrescentadas…
Não! Não é preciso deixar nada, não é preciso fazer as malas, é um Reino de consciência, não há ruas, nem estradas, ou hotéis, só há mentes e corações voltados pra verdade. Meu Reino em primeiro lugar! Antes da faculdade, da carreira, da família, do trabalho. Não é preciso abandoná-los, só coloque-os depois do Reino. Os planos para este ano? Depois do meu Reino, pois os planos e realizações serão acrescentados. Acredite!

Como? Neste ano, reserve um tempo, uma hora, meia hora, quinze minutos por dia, que seja! Fique a sós, diga, ore, fale. Não uma lista de pedidos e agradecimentos. Se derrame, fale logo! Se não estiver afim, diga: – Não estou afim, Amém! Busque, reclame, grite ou fique calado, mas relacione-se com Deus. Prove-o, pois não existe fé cristã sem experiência individual com Ele. É pessoal e intransferível, portanto feche a porta do seu quarto, do seu banheiro, do seu carro e comece. São mais de 2 bilhões de cristãos espalhados pelo mundo afora que simplesmente não significam nada se “EU” não fechar as portas da minha mente e abrir meu peito pra inspirar Deus em meu coração.

Faça, pois só Ele pode responder:
Por que meu coração se sente tão mal?

Baseado no livro de Henri Nouwen, “Tudo se fez novo”.

Assista e ouça: Why does my heart feel so bad – Moby

5 comentários em “Um convite à espiritualidade”

  1. É… a cada um, um novo reencontro se faz necessário. O que dizer de … somente tua Graça nos basta, e tua presença é o meu prazer … não se diz… se vive…

    A Graça e a Paz do Senhor seja sobre ti!

  2. Lucas
    Trazemos dentro de nós algo q não queremos carregar, mas está ali…
    O que é? Não sei..
    Mas somente a Graça pode nos bastar…e aliviar esta carga q cada um sente de sua maneira…
    Gostei…
    beijos
    mami
    (gosto muito das reticências)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *